quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Quero ser

(Foto Ben Goossens)


aliciar
o mais, rupturas
amor e ódio
onde se completam

voraz
esfinge que se cala
teu nome
é um rancor

frenético
lisérgico, intrépido


que na mesa
de um domingo
em família

não é mais filha
do que qualquer

outra
lascíva larissa

cria da dor
com escárnio

soberbo
brutal


poesia


Malu Sant'Anna

Um comentário:

Larissa Marques disse...

eu quero ser!!!
beijo querida, adoro esse poema pela carga que ele me traz!
beijo!
amo você, querida!